Lifestyle | aD hOMINEm

Esta semana provavelmente estarei meia desaparecida da blogosfera. Porquê?

A in skené está com uma nova peça em cena! aD hOMINEm, baseada no texto El Bálsamo de Diós de Carlos Boves, com tradução, adaptação e encenação de Sofia Araújo. Cenário montado, actores prontíssimos, luzes afinadas, e estaremos no Auditório Municipal de Gondomar para vos receber de 24 a 27 de Fevereiro, às 21h30! Vemo-nos lá?

Fotografia de Joana Sousa para in skené - grupo de Teatro de Amadores de Gondomar



Sei que pode soar mal puxar pela "prata da casa". Mas acreditem: o teatro é muito mais do que algumas pessoas a mostrar algo no palco. O teatro é uma viagem. É capaz de nos fazer reflectir. E mesmo sendo a acção desta peça passada há muitos anos atrás, o tema é estranhamente actual - ou talvez não estranhamente assim...a sociedade tem ciclos. Deixo-vos com o texto de encenação, para que possam perceber melhor do que se trata!

"[...] Um texto nunca levado a palco, no qual Homem e Poder se enfrentam numa luta de/sem Tempo, com base na história real de Cayetano Ripoll, o último executado da inquisição espanhola.



Em tempos de fanatismo e destruição, medo e agressão, tempos em que o Tempo parece cada vez mais uma mera construção do optimismo humano, sonhador de setas de progresso, embalado por futuros sonhados e acreditados, o Passado, ou o tido por passado, derruba-nos as portas do refúgio e lembra-nos a cada vida extinta que não há dor de época, nem medo de época.





Cayetano Ripoll, o homem que não curva, surge-nos de entre as brumas da história espanhola pela mão da que tudo vê, tudo sabe e ainda assim, contra si própria, tudo espera: Mnemósine, a memória, a espectadora eterna, a leitora feita de leitores e de actores, de intérpretes e de agentes, humanos todos, sempre humanos, sem tempo, com todo o tempo, num oscilar doloroso e eterno de revolta e cinismo, pintados ambos do Real que se constrói e se observa.




Numa leitura livre, Carlos Boves e Derek Jarman, James Dean e Gregory Peck, Albert Camus e Victor Hugo são autores de memórias que a encenação usa para dar voz ao Homem sem tempo que usa farrapos de prisioneiro, olhar de carcereiro, fato de navegador, grilhões de escravo, sorriso de carrasco, casaco de rebelde, espartilho, credenciais de deputado, microfone de repórter ou arma de soldado, pena, caneta ou teclado, o Homem que usa o palco... ou um lugar no público." Texto de encenação de Sofia Araújo.

Vemo-nos in skené esta semana? 


11 comentários :

  1. Respostas
    1. E é mesmo! O ensaio geral foi ontem e fiquei encantada com o resultado! Vale a pena :D

      Eliminar
  2. Não sabia que fazias teatro baby!!! Que giro :)
    Beijinhos e boa sorte!


    Blog Denise de Assis
    Bioderma GIVEAWAY

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faço sim <3 desta vez não estou em palco, mas em breve... :p e esta está muito bem concebida! :)

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Yes ahah :D mas desta vez fico de fora, só atrás da câmara!

      Eliminar
  4. Parece-me uma peça muito interessante :). Queria ir, mas tenho de estudar, vida injusta :(.
    Beijinhos,
    Cherry
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  5. Parece-me uma peça super interessante. Gosto imenso de teatro :)

    http://thesunnysideoflifeblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  6. Pelo que vi aqui, parece-me mesmo muito bem!
    Beijinhos

    ResponderEliminar