Fórum de Ideias + Personal | Flat? Who's flat now?

Há coisas que mexem comigo. E os padrões de beleza que a sociedade nos impõe [e que impomos a nós mesm@s] são uma dessas coisas. Possivelmente já se terão apercebido disso neste post sobre "o vestido que eu achei que mostrava a barriga", mas esta é mesmo uma questão que me faz alguma "comichão" e, confesso, que não me é indiferente de todo, porque eu própria tenho consciência do que imponho a mim mesma e, por arrasto, aos outros.

Em breve conto-vos a razão desta minha batalha interior, mas por hoje venho falar-vos de uma coisa que me irrita solenemente: avaliar a sensualidade de uma mulher pelo tamanho das mamas [Não me batam, mama é mesmo o nome da coisa, deixemo-nos de eufemismos].


Fiquei novamente a pensar nisto graças a este post da Nádia do Perdida em Combate. Eu tenho as mamas pequenas. Durante anos, isto foi um enorme problema para mim. Sentia-me diferente - menor, passando o pleonasmo - sentia que nunca ninguém me acharia bonita ou atraente, e que o meu valor estava diminuído por isso. Em adolescente, era gozada (sais ao teu pai!) e aceitava-o, até eu me criticava todos os dias por isto. Go figure. Mas lá está, um dia conto-vos melhor esta história.

O que é certo é que crescer - em idade e não em copa - trouxe-me outra visão sobre as coisas. Não me encaixo completamente no modelo de mulher sexy. Até aí, tudo bem. A questão é que, agora, vejo isso como estando mesmo tudo bem, porque uma mulher mede-se por muito mais do que pelo tamanho do soutien! E mesmo que medisse, guess what? Eu adoro as minhas mamas pequenas! Sinto-me bem, gosto delas. Além do mais, a sensualidade é até mais uma questão de confiança e atitude do que física. Não tenho que me preocupar com os decotes ou com o que se vê. Não tenho problemas de costas. Não vão descair tão cedo. Posso dormir de barriga para baixo. Se tirar o soutien elas ficam no mesmo sítio. E sim, eu uso soutiens com enchimento, push-up, e no dia seguinte sou capaz de usar um que só tem a copa e que me faz parecer mesmo flat. Vou-me adaptando, conforme me apetece. Porque posso!

Eu sei que pode parecer que "se estás a falar nisso, é porque te faz diferença!". E faz. Faz-me diferença ouvir mulheres adultas dizer que ela podia ser gira, mas não tem mamas! sobre outras mulheres como se isso fosse o foco central e único da sensualidade de uma mulher, como se apenas se pudesse ser bonita com mamas grandes q.b., e como se tivessem o direito de opinar sobre alguém como se se tratasse de mercadoria num catálogo. Faz-me diferença ouvir mulheres a afirmar à boca cheia que não-sei-quem tem a mania que é boa mas nem mamas tem. Por impressionante que pareça, é das mulheres que ouço os piores comentários, aqueles que são mais cortantes. Insegurança? Necessidade de afirmação? Medem o seu valor pelo número de homens que olham para o seu decote? Não sei. E se tenho uma voz que chega a algumas pessoas, é o meu dever tentar abrir os olhos a quem faz e/ou sofre estes julgamentos.

O que sei é que já chega de avaliar o nosso valor consoante a nossa sensualidade. E chega, mas CHEGA MESMO, de avaliar a nossa sensualidade pelo tamanho do nosso soutien. Meninas de mamas pequenas, olhem para o vosso corpo ao espelho. Pensem se de facto elas são tão pequenas assim. Pensem se não será apenas uma construção que têm na vossa cabeça. Pensem no que é que a vossa vida melhorava se fossem maiores. Pensem nos momentos em que já se sentiram confiantes por várias razões. Provavelmente nem se lembraram delas, e isso é bom, porque nós somos tão mais do que o nosso corpo, e ele é um todo maravilhoso! Pensem nos comentários que ouvem - não virão de pessoas que na realidade estão apenas a tentar subir às vossas costas para não se afogarem nas suas próprias inseguranças?

Gostos são gostos, e é óbvio que tod@s temos o direito de não gostar de algo em nós e de querer mudar. Mas até lá, não se martirizem. E se pararem de ser as vossas piores inimigas, se filtrarem o que ouvem, e pararem de ser as vossas maiores críticas, vão ver que talvez até mudem de ideias e passem a adorar aquilo que agora vos desagrada - e isto aplica-se a tudo o que vêm ao espelho. E nesse dia, a cada comentário, vocês vão ser capazes de responder de volta com o vosso maior sorriso de quem sabe quem é e do que gosta, e um és mesmo idiota, coitad@. Aconteceu comigo. Portanto é completamente possível, confiem em mim!

PS.: Malta mais "bem servida" de mamas, não me levem a mal o post. É baseado na minha experiência, e sei que desse lado da barricada a coisa também fica bem negra por outros motivos! 
*Girls unite!*

Perdoem-me o rant. Há por aí mais guerreiras do self love juntas nesta causa comigo?




39 comentários :

  1. Joaninha, amei este post! Confesso que, apesar de não achar que seja especialmente avantajada, o tamanho das minhas mamas nunca foi um grande issue. Até porque, vou ser-te muito franca (e não tenho nada contra mamas grandes que fazem lindos decotes e que, nas condições certas, ficam muito bem), mas eu sempre achei mais sexy as mulheres com mamas pequenas. Gwen Stefani, Keira Knightley, you name it! Acho-as mulheres lindíssimas e super sensuais e não têm mamas muito grandes, né? E sim, são os meus ícones de beleza (e sim, tenho mais mamas que elas...) :) e, btw, és do caraças! E, sem ponta de aldrabice, uma mulher bem sensual, só para que saibas! Beijinho enorme*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Catarina! Sim, eu hoje concordo plenamente contigo (a Keira *o*) - mas sei o que é meterem-te na cabeça que o que tu tens não chega para seres bonita, daí o meu desabafo. Não sei se não haverá por aí muita boa gente - e bem bonita sem se aperceber disso - a passar pelo mesmo que eu passei. Ahah obrigada, sis!!! :D Beijão!

      Eliminar
  2. Também sofro de complexos com o meu peito pequeno, mas tendo amigas com copas muito maiores que a minha vejo bem o que elas sofrem para comprar biquinis e sutiens que lhes sirvam perfeitamente. Nos com maminhas pequenas nao temos dificuldade em arranjar, mas elas gastam sempre muito mais para ter um que lhes seja minimamente confortavel. Tudo tem o seu lado bom e o seu lado mau, temos é de aprender a lidar com aquilo que temos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh, se sofrem! Isso é verdade. Se bem que, não sei se acontece isso contigo, mas eu também me vejo à rasca com os tamanhos - para servir nas costas, fica enorme no peito ahah! Mas pelo menos a questão da sustentação não é um problema!

      Gostos são gostos, e se não conseguirmos gostar, também não há razão para nos martirizarmos por isso. Em todo o caso, diz a ti mesma que o teu corpo é perfeito como é, em vez de olhares para isso como um defeito. Um dia convences-te mesmo disso e vês que andaste anos com complexos por nada :)

      Eliminar
  3. sou o outro lado do espectro das copas de soutien mas não podia estar mais de acordo. you go, girl!

    ResponderEliminar
  4. Adorei o post, comigo passa-se exatamente o oposto, quando comecei a crescer, a mamas tambem cresceram e ate certa altura achava que era o maximo, ate que comentários começaram a descer de nível, e os decotes desapareceram, nós mulheres somos mesmo uma "raça"muito complicada, somos crueis umas com as outras. Piores comentários que ouvi foram mesmo de mulheres "olha aquela gorda, só se lhe aproveita as mamas, homem que ficar contigo é so pelas mamas" e por aí adiante... Obrigada pela partilh, hoje sem dúvida sou muito mais eu que importo e sei que gostam de mim, por um todo e nao so pelas mamas (e eu também já consigo lidar melhor com elas).
    Por isso mulheres sejam as mamas do tamanho que forem, nao ha necessidade de criticar, ofender as outras.
    Forca pequena guerreira, gosto cada vez mais e mais de ti.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. <3 <3 cada uns com as suas "dores de crescimento". Nunca ninguém se safa dos comentários, seja porque sim, ou porque não, ou porque é pequeno, ou porque é grande. Quando damos importância aos comentários dos outros, não há hipótese: vamos cair na armadilha de ser infelizes sem razão. O melhor é mesmo ligarmos apenas à nossa voz - e que ela seja simpática, porque não há melhor amiga do que nós mesmas!

      E a propósito, tu és linda!!! <3 love ya!

      Eliminar
  5. Faço parte do grupo que gosta de ter mamas pequenas e, ainda mais escandaloso, não tenho nenhuma vontade de ser vista como uma mulher sensual. Aconteceu-me uma coisa caricata há uns meses, no Martim-Moniz. Um daqueles gajos que gostam de mandar bitaites às mulheres que passam atirou-me um "Ai tão fofinha". Eu fiquei incomodada, como fico sempre com essas coisas, mas lá no fundo pensei "Ahaha I know, right?". Só que dois segundos depois o mesmo marmanjo gritou "Boazonaa!" com aquele tom depravado e eu fiquei mesmo chateada e enojada, porque não gosto de ser vista dessa maneira. Enfim, pancas.

    Mas é evidente que o tamanho do peito não tem nada que ver com sensualidade! E na verdade acho que muitas das mulheres que julgam as outras também não pensam assim, foram formatadas dessa maneira mas com uma conversa sobre o assunto são bem capazes de mudar de opinião. Fico parva quando vejo que há quem ache que as mamas pequenas são automaticamente um defeito, quando para mim não há nenhuma desvantagem no tamanho das minhas mamas. E percebo perfeitamente que, tal como eu adoro as minhas mamas tanto esteticamente quanto a nível de praticidade (gosto de poder usar o que quiser -às vezes até sem soutien-, gosto da maneira como a roupa assenta, etc.) também entendo que há mulheres que gostem genuinamente de ter mamas grandes. O que é incompreensível é que a grande maioria das pessoas em sociedade parta de ideia que mamas pequenas são, de per se, uma coisa má.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente ponto de vista, Nádia! Sim, o ser sensual ou não é mais uma questão de mood do que outra coisa, e de ter a capacidade de me sentir assim quando quero - dispenso bem qualquer comentário que seja ao meu corpo. Contam os meus e, vá, um elogio ou outro do meu rapaz. Fora isso, sou bem capaz de mandar uma resposta mais torta.

      Sim, é possível. Mas não deixemos que não sejam apontadas responsabilidades. Como seres humanos, somos seres pensantes, por isso é importante temntarmos combater este tipo de comportamentos desnecessários e que não trazem nada de bom! E estou contigo. Viva as mamas pequenas! E as grandes! E as mamas no geral!

      Eliminar
    2. Sem dúvida, Joana, todos temos a responsabilidade de refletir sobre os assuntos que nos afetam. Somos todos moldados pela sociedade, mas temos também uma mente apta a pensar e a cada um de nós é dada a escolha de combater ou reproduzir comportamentos nocivos.

      Eliminar
  6. FODA-SE!
    (E desculpa Jiji do meu ♥ por dizer um palavrão no teu blog)
    Este texto podia ter sido escrito por mim - tenho um sobre esta temática no forno, por acaso - e concordo com tudo o que disseste porque também já senti tudo o que sentiste na pele.
    Agora estou naquela do "no boobs? no problems!" mas demorei imenso até chegar a esse patamar...e todos os dias é uma pequena batalha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh mulher, estás à vontade :D já sabes que isso para mim é vírgula eheh :p

      I get it. O espelho pode ser o nosso melhor e pior amigo. Se ele estiver mal-disposto temos que o pôr no sítio e dizer-lhe "quem te dera ser como eu!" :p

      Eliminar
  7. Concordo em absoluto com o que escreveste Joana. Concordo e subscrevo na íntegra. Também faço parte do grupo das mamas pequenas. Durante muito tempo, martirizei-me com isso, numa altura em que a minha auto-estima estava na lama e em que tudo era motivo para não gostar de mim. Cheguei mesmo a desejar, um dia, ter dinheiro suficiente para fazer uma mamoplastia, tal era o meu complexo com as mamas pequenas. Felizmente, cresci, alarguei horizontes, conquistei a minha auto-estima e passei a gostar de mim do jeito que sou. Hoje em dia, tenho uma relação de grande amor e tranquilidade com o meu corpo. E quando sentimos isto, tudo o resto são histórias. Além disso, a sensualidade é mais um questão de atitude do que outra coisa qualquer! E vivam as mamas pequenas!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Touché, é mesmo isso! Cheguei a considerar o mesmo que tu. Depois passei por uma fase de "deixa lá", e finalmente de há uns tempos para cá consegui aprender a gostar de mim assim. E agora, nem penso nisso. Baby steps! O crescimento faz-nos bem. :)

      Eliminar
  8. Eu estou do outro lado da barricada...e adorava ter um peito mais pequeno, simplesmente para poder fazer tudo o que disseste que fazes: dormir de barriga para baixo, não me preocupar com decotes (que é uma das coisas que mais me atormenta, porque uma pessoa mostra um bocadinho de boob cleavage e é logo um escândalo e todos os homens têm um comentário a fazer), não ter dores de costas e até mesmo poder comprar os vestidos sem costas maravilhosas que quero, porque ia poder andar sem soutien, mas pronto. Eu, tal como tu, gosto das minhas mamas, embora às vezes elas não me dêem muito jeito, ahah. E se houve coisa que nunca fiz foi falar mal de alguém por ter mamas pequenas e não percebo mesmo quem faz isso. Estamos juntas, fofinha!

    Lena's Petals xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É uma luta de todas - vai sempre haver alguém com algo para dizer e comentar! Mas olha, cada um com as suas coisas: eu não gosto de andar sem soutien por causa da forma das minhas ahah à conta disso acabo por não usar nada sem costas na mesma :p valham-nos os bandeaux giros e coisas que tais! Paciência, nem toda a roupa é feita para toda a gente!
      Em todo o caso, temos que sentir as "dores" umas das outras, em vez de andarmos à bulha. Era tudo tão mais fácil! <3

      Eliminar
  9. Palmas! Eu posso ainda ser nova mas em comparação às pessoas da minha idade que conheço, não tenho mamas quase nenhumas. Já se senti mal com isso e em algumas situações ainda me continuo a sentir mas acho que mamas grandes ou pequenas cada um nasceu com o corpo que tem e temos de o aceitar e acima de tudo gostar dele e aceitá-lo.
    Apesar de haver aspetos negativos em relação a este "problema" nosso, há muitos mais positivos e temos de saber amar o nosso corpo. Parabéns pelo post tão bom, que me fez mesmo muito feliz e aumentou a minha auto-estima.

    Style and Life by Marta

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Go girl! É isso mesmo! Nem todos os dias são óptimos e maravilhosos, mas enfrentar o espelho com um sorriso na cara e a confiança de que o teu corpo é maravilhoso, no matter what, é o primeiro passo para seres feliz com ele :)

      E obrigada pelo teu comentário - agora foste tu que me deixaste mais feliz! <3

      Eliminar
  10. Adorei!!! Também tive alguns problemas por causa da mesma situação, mas com o passar dos anos apercebemo-nos que somos assim e que a única coisa que podemos fazer é aceitarmo-nos. E ainda bem, porque eu adoro ahah
    Beijinhos,
    Red Lips Blog

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixar de ver o nosso corpo com um véu de críticas é bem capaz de ser o remédio santo para atingirmos a paz e conseguirmos, por fim, gostar dele! U go girl!

      Eliminar
  11. Tens muita razão naquilo que escreves, uma mulher não deve ser medida pelo tamanho de copa, nem de qualquer outro apêndice... Cada qual tem o seu gosto pessoa, mas reduzir assim o potencial a um detalhe... Mamas são bonitas em qualquer tamanho e formato, veja-se a Keira, a Natalie ou a Kate Hudson naquele VESTIDÃO amarelo sem costas no Como perder um homem em 10 dias? "FLAT?" Eu digo "PFFFF, WHO CARES?!"

    Já eu, até aos 12 anos, queria muito ter peito até que boom, tive, e gosto das minhas meninas, embora às vezes gostasse de ter um botão que me permitisse diminuí-las de vez em quando, para fazer todas as coisas que disseste lá em cima e me deixaram roída de inveja (boa)!

    Valemos muito mais do que o valor "comercial" que o nosso corpo possa ter! AMOR-PRÓPRIO, isso sim, é belo e sensual! <3 "Rock whatever you got, and smile"!

    Boa reflexão, Jiji ;)

    beijinhos, Nádia
    My Fashion Insider

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nádia, a eterna guerreira do body love :D é mesmo isso! Resumiste tudo tão bem na última frase :)

      Eliminar
  12. Eu sou "bem servida" de mamas, mas conheço gente com poucas mamas que são inseguras por causa disso. Mamas grandes ou pequenas, são sempre mamas. O tamanho do cérebro não altera consoante o tamanho das mamas. Quem faz esse tipo de comentário depreciativo, de certeza que é alguém infeliz e que as mamas são a única coisa que chama atenção.
    Ignora essas pessoas. O importante é sentires-te bem como és :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Este texto está fenomenal, e podíamos substituir mamas, por rabo, ou pernas, ou ... Nós somos as nossas maiores críticas, e por isso massacramos-nos a nós, e a outras que por aí andam.
    A maturidade ensina, mas nem todas aprendemos.
    Nunca será esta ou aquela característica que define uma pessoa, mas todo um conjunto, e nesse conjunto é o que vem de dentro que mais conta depois do primeiro impacto.
    Mas sejamos francas, NUNCA estaremos satisfeitas com o que temos, acho que faz parte do nosso código genético querer sempre algo diferente, por isso é que existe todo um mundo de "extras" para que cada uma de nós faça os melhoramentos que entenda necessários. O importante é que isso não seja o mais importante mas um acessório.
    Auto-estima é mesmo a palavra chave. bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podíamos mesmo. Isto aplica-se a tudo. Somos tão mais do que aquilo que vemos no espelho, e no entanto é com ele que tanto nos martirizamos!
      Partilho da mesma opinião que tu - caso contrário não seriam necessários soutiens xpto, calças não-sei-quê, maquilhagem que faz tudo e mais alguma coisa, plásticas para cima e para baixo. E tudo bem com isso! Mas é importante não nos resumirmos a isso. Um acessório. Precisamente :) Obrigada! *

      Eliminar
  14. Neste caso sou o contrário, mas compreendo quase totalmente o outro, só não compreendo totalmente pois é impossível nunca o tendo experienciado! Excelente texto, beijinhos :)

    ResponderEliminar
  15. O que posso dizer sobre isto quando estou speechless? *aplaudindo de pé*

    Está tudo dito aqui, e amém ao "poder dormir de barriga para baixo". Se tivesse maminhas maiores, sofria de insónias. xD

    ResponderEliminar
  16. Cada um tem de aceitar o corpo que tem, eu também tenho o peito pequeno e não é por isso que me acho menos sensual ou que sou menos alegre do que deveria ser! =)
    Gostei imenso!!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Percebo bem o teu post e acho que tens toda a razão. Eu, particularmente, estou do outro lado, das que têm um bom par (sem exageros). E se tu ouviste piadas sobre "saires ao teu pai" eu tinha os rapazes da turma ao pé da caixa de areia do salto em comprimento para me verem correr por "elas abanavam". E era a coisa mais estúpida e incómoda de sempre. Isto tudo para dizer que tudo tem vantagens e inconvenientes mas o melhor é mesmo aprendermos a ser felizes com o que temos e ter confiança em nós!
    nem mais nem menos | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Argh! As pessoas têm mesmo gostinho em ser idiotas - e há alguns espécimes que ficam com essa capacidade em alta na adolescência! Mas é mesmo como dizes: é termos confiança em nós. E mandar umas respostas tortas se necessário ahah :p

      Eliminar
  18. Ohn :') Muito obrigado querida Joana! Sem dúvida alguma que o vosso apoio é fundamentalíssimo nesse sentido! Vocês dão-me toda a força que preciso :D

    Depois de ler este post, que me cativou pela temática ser tão atual, só tenho de te aplaudir. E porquê?! Porque nem as mulheres nem ninguém, tem direito a ser rotulado. As mamas são, indubitavelmente, a parte do corpo que, à priori, as mulheres gostam mais ou, pelo menos, fazem por isso. É algo que se destaca. Contudo, não têm necessariamente de ser grandes para serem bonitas, nem pequenas para que uma mulher seja menos atraente. Afinal de contas, o que efetivamente importa, é a forma como a mulher se vê e as encara. O resto, é resto!

    NEW TIPS POST | Men Beauty Essentials
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  19. Aplausossssssssssssssss!!! Falaste tudo minha querida. :) Muito amor próprio à todas nós!!! E quanto a sensualidade vir da auto confiança estou totalmente de acordo! É mesmo essa a chave. O caminho é mesmo esse nos aceitarmos e celebrarmos o que somos!!! A vida é muito curta ;)
    Beijinhos linda,
    http://themarielement.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  20. Já li este post duas vezes e concordo com o que dizes e, como miúda de mamas pequenas percebo bem. No entanto, este assunto e outros semelhantes, tipo gorduras e feminismos e assim deixam-me um pouco cansada sabes? Fala-se tanto disso, muitas vezes sem ir ao assunto como deve de ser que já nem sei se perdemos o rumo da coisa...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo perfeitamente o que dizes, sem dúvida que é algo que acaba por se "infiltar" nas conversas todas. Importa ter em atenção os fóruns que são utilizados, para que não soem descabidas e exageradas - sendo este blog claramente mais virado para o público feminino, bate certo na minha cabeça escrever devaneios destes aqui, até porque acabo por achar que se a minha experiência puder ajudar alguém, nem que seja uma só alminha, já é útil.

      Ao mesmo tempo que temos estes textos sobre self-love, ou sobre feminismo (que por acaso acho que não é bem o foco aqui, mas entendo a ligação), continuamos a ter Kardashians a meter fotos das suas grandes mamas e rabo à mostra e a influenciar a miudagem, que fica a pensar que devia ser como elas, continuamos a ter diferenças brutais nos salários entre homens e mulheres, etc. Se pararmos de falar, os pequenos problemas que temos (pequenos em comparação com os que assolam outras partes do mundo), nunca se irão resolver...

      Eliminar